Blog

Green Bonds: o que são os títulos de crédito voltados para a sustentabilidade

Green Bonds: o que são os títulos de crédito voltados para a sustentabilidade

13 de setembro de 2021

Tempo de Leitura: 5 minutos

As mudanças climáticas, como o aquecimento global, são enormes motivo de preocupação. De acordo com relatórios internacionais, como do IPCC, será indispensável mudar a dinâmica da nossa economia para evitar maiores problemas no planeta. Nesse sentido, as companhias privadas e entidades públicas estão entendendo a sua importância nesse processo, o que explica a expansão dos Green Bonds.

Conhecidos como Títulos Verdes, esses ativos são novos no mercado (foram criados em 2008), mas têm potencial para revolucionar a relação entre finanças e sustentabilidade. Segundo a Climate Bonds Initiative, eles podem injetar R$700 bilhões na nossa agricultura até 2030, além de auxiliar na adoção das práticas ESG.

Neste artigo, explicamos o que são os Green Bonds e quais são os seus benefícios para aqueles que emitem os títulos. Boa leitura!

O que são Green Bonds?

Os Green Bonds, que no Brasil também são conhecidos como Títulos Verdes, são títulos de dívida emitidos para financiar projetos relacionados à sustentabilidade. Eles podem ser emitidos por companhias privadas, entidades públicas em qualquer esfera ou instituições supranacionais e são oferecidos no mercado financeiro.

Existem diversas categorias de Green Bonds, segundo a B3 (Bolsa de Valores do Brasil). Listamos algumas:

  • energia renovável;
  • prevenção e controle de poluição;
  • transporte limpo;
  • mudanças climáticas;
  • conservação da biodiversidade;
  • entre outros.

O primeiro Green Bond foi emitido em 2008 pelo Banco Mundial, sendo o ponto de partida para esse olhar mais sustentável no mercado financeiro. Desde então, vários títulos foram emitidos, inclusive no Brasil. Em 2019, foram movimentados US$ 1,2 bilhão aqui no país — número seis vezes maior do que no ano anterior.

De fato, os Títulos Verdes estão diretamente relacionados com o crescimento da agenda ESG. Quando um projeto sustentável é colocado em prática, o meio ambiente é beneficiado pelos resultados obtidos, mas a empresa também colhe frutos positivos com o desenvolvimento da sua reputação entre os consumidores.

Como funcionam os títulos verdes?

Os Títulos Verdes funcionam de forma similar aos papéis de renda fixa. Quando o investidor compra um papel, ele passa a ter o direito de receber juros pelo capital aplicado e, na data acordada, o reembolso do valor total. A forma de pagamento dos juros é combinada no momento da negociação.

Os títulos podem ser pré-fixados, quando a taxa de retorno é fechada e definida no ato da compra, ou pós-fixada, quando seguem algum indicador, como a inflação (IPCA no Brasil). A grande diferença dos títulos verdes é que eles devem ser direcionados para projetos sustentáveis.

Por outro lado, eles seguem as mesmas regras, como divulgar suas informações financeiras para as partes interessadas. Para criar um título verde, é necessário seguir alguns passos, que incluem: criar o projeto, fazer o registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ter os dados aprovados, ser listado na Bolsa de Valores e continuar cumprindo com as regulações depois da captação.

Para os emissores, os títulos verdes são uma forma de levantar dinheiro sem a necessidade de pegar empréstimo com instituições financeiras. Além disso, esse é um mercado que está em alta no mundo: em 2020, foram emitidos US$ 700 bilhões em títulos socioambientais segundo o CBI, uma alta de 131% em comparação a 2019. 

 

Nova call to action

Quais os benefícios dos Green Bonds para seus emissores?

Apesar de, na prática, os Green Bonds serem parecidos com qualquer título de dívida, eles trazem benefícios adicionais para seus emissores. O principal é a diversificação de investidores, porque há um crescimento no número de pessoas dispostas a aplicar recursos nesse tipo de projeto.

Um estudo da Oxford, publicado em 2015, avaliou centenas de levantamentos relacionados ao tema e trouxe informações importantes. Uma das conclusões é que 88% deles mostraram que as boas práticas de ESG resultam em melhor desempenho operacional, ou seja, há uma relação positiva entre sustentabilidade e resultados financeiros.

Além disso, a emissão de Títulos Verdes também é uma estratégia para se aproximar dos grandes investidores e aumentar a consciência do mercado sobre as ações da companhia ou entidade em prol do meio ambiente. Quando mais pessoas são impactadas, surgem novas fontes de captação de recursos.

Por fim, a questão climática é uma urgência. O relatório do IPCC, divulgado em agosto, alertou para a necessidade de diminuir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e a transição para uma economia de baixo carbono. Os Green Bonds poderão ter uma participação fundamental nessa equação, porque seus emissores devem gerar impacto positivo no meio ambiente.

O crescimento dos Green Bonds é positivo no longo prazo, porque os projetos sustentáveis são importantes para o planeta e geram bons resultados para as companhias que emitem os títulos. Com isso, setores como o agronegócio têm acesso a novos recursos e podem avançar com a pauta ESG, trazendo um impacto positivo para todos os envolvidos.
E aí, ficou claro o que são os Green Bonds? Leia também esse artigo para entender os principais desafios e oportunidades das mudanças climáticas para as empresas!

Relacionados

Uma mão segura um laptop sobre uma plantação, enquanto a outra digita. Acima aparecem gráficos de análise de dados do agronegócio.

Gestão de riscos socioambientais no agronegócio: como fazer da forma correta

Manuseio de plantação, representando a agricultura de baixo carbono.

Agricultura de baixo carbono: o que é, como aplicar, desafios e oportunidades para o futuro

Máquina agrícola trabalhando em uma plantação, enquanto no céu há 3 siglas de CO2, responsável pelas mudanças climáticas

Mudanças Climáticas: Importância e Desafios da Redução das Emissões de Carbono no Agronegócio

Solicitar Orçamento