Tudo o que você precisa saber sobre a Cúpula do Clima e como ela impacta o agronegócio brasileiro

A mensagem deixada pela cúpula de líderes sobre o clima é clara: a agenda climática gera grandes oportunidades econômicas para as empresas e os países que se comprometem com ela.

A cúpula do clima, que aconteceu na última semana, veio confirmar: o modelo econômico mundial está mudando e a agenda ambiental terá cada vez mais impacto nos negócios dos diversos segmentos de mercado de todos os países. 

Neste texto, nós contamos para você como o que foi discutido nesse evento com lideranças mundiais afeta o agronegócio no Brasil e em todo o planeta. Boa leitura!

O que foi a Cúpula de Líderes sobre o Clima

Realizada nos dias 22 e 23 de abril, a Cúpula de Líderes sobre o Clima foi um evento convocado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para cumprir uma de suas promessas de campanha: em seus primeiros 100 dias de governo reunir lideranças mundiais para tratar ações de combate à crise gerada pelas mudanças climáticas.

Considerado uma preparação para a COP-26, a Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, que acontecerá em novembro, na cidade de Glasgow, na Escócia, o encontrou, que foi realizado de forma 100% virtual, reuniu presidentes de diversos países, incluindo o Brasil. Além de nomes como Bill Gates, fundador da Microsoft, Michael Bloomberg, fundador da Bloomberg e enviado especial da Organização das Nações Unidas (ONU) e John Kerry, ex-presidente norte-americano e enviado especial dos EUA para questões climáticas.

Os compromissos assumidos pelos principais líderes mundiais para conter a crise climática

Parte do esforço norte-americano para voltar a ser protagonista nas discussões  sobre questões ambientais, a Cúpula do Clima cumpriu papel estratégico ao estimular Governos a estabelecerem metas mais ambiciosas para a redução da emissão de CO2 do que aquelas firmadas no Acordo de Paris. 

Os Estados Unidos dobraram sua meta de redução de emissões de CO2 até 2030

País anfitrião, os Estados Unidos, que hoje são responsáveis por 15% das emissões globais, se comprometeram a cortar em 50% as emissões de gases do efeito estufa até 2030, dobrando a meta estipulada anteriormente. 

Para chegar a esse objetivo, no entanto, os norte-americanos precisarão rever toda a sua matriz energética, atualmente baseada em combustíveis fósseis, e investir em inovações tecnológicas. Isso porque, segundo John Kerry, “mais da metade da redução de emissões dos EUA precisaria vir de tecnologias ainda não disponíveis comercialmente”. 

China e Alemanha se prometeram a deixar de usar carvão como fonte energética

O presidente da China, Xi Jinping, disse que o país vai limitar a utilização de carvão mineral como fonte de energia entre os anos de 2021 e 2025 e eliminar essa modalidade de geração energética até 2030. 

Já Angela Merkel, chanceler alemã, se comprometeu a neutralizar a emissão de carbono até 2050 e também a acabar com o uso de carvão mineral. Segundo ela, nos próximos anos, o país produzirá 46% de sua eletricidade de forma renovável. Além disso, a Alemanha duplicou seu financiamento à economia sustentável.

A França propôs colocar preço na emissão de carbono

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que é preciso incluir os custos ambientais no comércio de bens e serviços, e que sem isso não haverá uma transição para uma economia verde.

Sua proposta durante a cúpula foi precificar a emissão de carbono, incluindo esse valor na precificação de produtos e serviços que geram a emissão do gás. 

O Brasil prometeu antecipar em 10 anos sua neutralidade climática

Discursando no segundo dia da Cúpula do Clima, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil está comprometido a eliminar o desmatamento até 2030 e alcançar  a neutralidade até 2050, antecipando o prazo anterior em 10 anos. Uma promessa ambiciosa, considerando-se os retrocessos no controle das queimadas e o aumento contínuo das áreas desmatadas.

A grande vantagem do Brasil 

Com 82% da energia elétrica produzida no país vindo de fontes limpas, o Brasil tem um percentual alto da sua matriz energética composta por fontes renováveis. O que nos coloca em posição de referência para o mundo quando o tema é economia verde. 

Enquanto grande parte dos países precisará reformular toda a estrutura de sua matriz energética para cumprir as metas de descarbonização da economia, o Brasil pode focar em seu calcanhar de Aquiles nas questões ambientais: o desmatamento. Metade das emissões de gases poluentes geradas pelo país são resultado das queimadas ilegais.

Embora a maior parte do desmatamento aconteça em áreas públicas, controladas pelo Estado, produtores rurais e toda a cadeia agro podem contribuir para o fim do uso ilegal de terras e das queimadas. Ocupando, assim, papel decisivo no cumprimento das metas ambientais estabelecidas pelo país.

Para isso, cabe ao agronegócio exigir o cumprimento do Código Florestal, legislação aprovada há quase uma década que ainda não está em prática. E brigar pela regulamentação fundiária, para garantir o uso legal das terras hoje ocupadas.

Além disso, para impedir que o desmatamento ocorra dentro das suas porteiras ou em sua cadeia de suprimentos, produtores rurais e corporações precisam investir em tecnologia, buscando por soluções de geomonitoramento, rastreabilidade da matéria-prima agropecuária (do bezerro à plantação de soja) e certificações. 

As grandes oportunidades que a agenda climática gera para o setor agro

Por conta do seu papel decisor no cumprimento das metas de redução da emissão de CO2 e comprometimento do país com as questões climáticas, é preciso que os agentes do agronegócio entendam as oportunidades que a adoção dessa agenda cria para as empresas e produtores rurais. 

Durante a Cúpula do Clima, as lideranças mundiais participantes ressaltaram o potencial da agenda climática de trazer ganhos econômicos, gerando emprego e renda nos países que a adotarem. 

Por outro lado, especialistas em agronegócio avisam que os Governos e as empresas que não demonstrarem atenção às questões ambientais podem perder oportunidades comerciais, já que cada vez menos pessoas estão dispostas a consumir mercadorias produzidas a custo de desmatamento e outras práticas prejudiciais ao meio ambiente.  

Nesse cenário, o setor agro deve estar atento às oportunidades que seguir a agenda ESG, com todos os seus princípios de preocupação ambiental, social e de governança, traz para os negócios. Dentre essas oportunidades, vale destacar: 

  • a conquista de novos mercados (exportação)
  • a atração de mais investimentos 
  • a conquista de novos consumidores 
  • ganho de valor agregado

O compromisso da Agrotools com a agenda ESG são as questões climáticas

Inovadora e atenta às necessidades do seu tempo, a Agrotools atua de forma totalmente alinhada com as ideias e demandas apresentadas na Cúpula do Clima. E deseja que todos os agentes da cadeia agro também assumam esse compromisso. 

A Agrotools atua de modo a atender as necessidades e a dinâmica do mercado. Por esse motivo, nossas soluções se encontram extremamente alinhadas com as ideias e demandas apresentadas na Cúpula do Clima, uma vez que um de nossos grandes objetivos é permitir que na prática, todos os agentes da cadeia agro assumam esse compromisso.

Considerada a maior plataforma digital voltada às corporações do agro, nosso papel é entregar para as empresas – através de tecnologia e dados confiáveis – transparência e  segurança, de modo a garantir a proteção do meio ambiente e ao mesmo tempo, a proteção da rentabilidade e da marca. Auxiliamos as corporações a tomarem decisões baseadas no que o mercado e mundo necessitam. Dessa forma todos ganham e a agenda ESG é cumprida.

 AgTech da América Latina, nós somos uma empresa com certificação B: um reconhecimento do nosso verdadeiro compromisso com as questões socioambientais e com toda a agenda ESG. 

Há mais de 14 anos no mercado, nossa missão é conectar todos os elos da cadeia agro, oferecendo soluções digitais que encerram o problema da escassez de informações sobre os territórios rurais, entregando às grandes corporações e também aos produtores do campo dados que permitem ter controle total do que acontece dentro das porteiras e, assim, tomar decisões estratégicas acertadas. 

Com tecnologia 100% proprietária e brasileira, uma imensa base de dados e conhecimento profundo do agro, nós oferecemos soluções que viabilizam o monitoramento socioambiental nas fazendas e o rastreamento completo de toda a cadeia de suprimentos, garantindo proteção ao meio ambiente ao mesmo tempo em que protegemos a rentabilidade e o nome do seu negócio.

Para conhecer mais sobre a Agrotools e entender como podemos ajudar sua empresa ou fazenda a estar alinhada com a agenda climática e os princípios ESG, acesse a página sobre nossa empresa em nosso site.

Mais para explorar

Endereços

Matriz
São Paulo – SP
Telefone: + 55 11 3049 1480

Núcleo Tecnológico
São José dos Campos – SP

Certificados e Programas

selo 2

Endereços

Matriz
São Paulo – SP
Telefone: + 55 11 3049 1480

Núcleo Tecnológico
São José dos Campos – SP

Certificados e Programas

selo 2

Copyright © Agrotools.com.br

Copyright © 2020 Agrotools.com.br