Blog

Barter: o financiamento rural que está revolucionando o agro

Barter: o financiamento rural que está revolucionando o agro

Barter: o financiamento rural que está revolucionando o agro

Cada vez mais produtores buscam essa modalidade de crédito. E empresas que atuam no setor do agronegócio se mobilizam para oferecer a operação. Entenda as vantagens e os riscos do Barter – e como a tecnologia contribui para mitigá-los.

Um empresário que opera Barter e que também é produtor rural e fecha contratos de Barter para a sua lavoura de 110 hectares. Eric Machado toca com o pai os negócios na FM Comércio, revenda de insumos agrícolas no litoral norte do Rio Grande do Sul. Na empresa, ele integra o time que cuida das operações de Barter. “O Barter que fazemos vêm pela necessidade do produtor. Às vezes, é um produtor que não está com muito dinheiro em caixa, ou está endividado, e essa operação é quase que a única saída. E mesmo os produtores mais capitalizados têm buscado Barter, porque é uma operação que trava os custos da lavoura”, conta Eric.

O travamento dos preços é uma das maiores vantagens desse mecanismo (veja mais abaixo), que ganha força no campo.

O que é Barter

Barter, do inglês, significa “escambo” ou “permuta”. No agronegócio, a operação Barter consiste em uma modalidade de crédito baseada em compra e venda futura da produção rural, qualquer que seja a commodity. O produtor rural “troca” os grãos por insumos, ou seja, adquire os produtos que precisa aplicar na lavoura e paga com a colheita. 

O agronegócio depende sistematicamente de financiamento. No Brasil, o crédito rural foi regulamentado por lei em 1965, e passou a ser operado por bancos e instituições de crédito, sob regulação do Banco Central e do Conselho Monetário Nacional (CMN).

Na década de 1990, o agro brasileiro viu nascer um novo modelo de financiamento rural: o Barter. Os primeiros contratos foram no Centro-Oeste do país. Hoje, a operação avança em diversas regiões, ganhando tração com parcerias que se fortalecem a cada safra, e também com tecnologias que contribuem para a segurança do processo. 

Como funciona o Barter

O Barter permite que o produtor rural consiga os insumos necessários para a safra sem ter que desembolsar dinheiro na hora da aquisição. E só precisa quitar a compra após a colheita, pagando em grãos.

As empresas que operam Barter, em geral, são fabricantes ou distribuidoras de defensivos agrícolas, fertilizantes, sementes e maquinário agrícola. Nesse tipo de contrato, elas atuam em parceria com empresas de trading de commodities, que comercializam grãos no mercado nacional ou exportam.

Por isso, o mercado classifica o Barter como um financiamento privado, que envolve três partes. Ou seja, o produtor rural obtém os insumos com determinada empresa, que, por sua vez, faz parceria com tradings e compradores de grãos – da indústria de alimentos, por exemplo. Ao final da safra, o produtor entrega a quantidade de sacas acertada em contrato para a compradora ou a trading que faz a comercialização da commodity. E esta repassa o valor referenciado à fornecedora de insumos.

Com isso, pode-se dizer que Barter é uma espécie de “permuta complexa”, bem mais elaborada do que uma simples troca de produtos por grãos, mas que traz facilidades para todos os envolvidos – tanto ao produtor, quanto às empresas.

Vantagens do Barter para produtores e fornecedores

Travamento de preços

Uma das principais vantagens do Barter é o travamento de preços, independente de variação cambial, oscilação de juros e mudança no preço da commodity negociada. “Conseguimos travar o custo da lavoura em volume de sacas. Uma pequena ou média propriedade, por exemplo, trava o custo entre 400 e 700 sacas. Tem produtores maiores com contratos de Barter de 10 mil sacas. Mas isso para quem planta 1.000 hectares se torna atrativo”, conta Eric Machado, que já há alguns anos opera Barter com produtores rurais gaúchos.

Previsibilidade e segurança

Dessa forma, é possível fazer uma melhor gestão de riscos, porque o Barter funciona sob a dinâmica de hedge (veja mais abaixo), com o alinhamento antecipado que considera os custos de produção e a receita futura da safra. Isso faz com que a valuation da commodity drible a natureza da imprevisibilidade de mercado. 

Existe, portanto, uma garantia de venda por preço acordado com antecedência. Se esse preço cai no momento da entrega do grão, o produtor tem, ainda, retorno financeiro. Se o preço da commodity sobe, ainda assim o produtor se beneficia, pelo fato de quitar as dívidas sem juros e no valor acordado previamente que considerou o preço de mercado à época da assinatura do Barter. Isto é, a operação tem a garantia da venda isenta da flutuação de preços.

Diversificação do crédito

Além disso, esse mecanismo agiliza e amplia o acesso do produtor rural aos fertilizantes e agroquímicos durante toda a janela de plantio e colheita. Isso porque o Barter pode ser operado por diversos players do agro, como agroindústrias, fabricantes ou revendedoras de insumos, cooperativas, e traders de commodities. Ao mesmo tempo, a operação potencializa as vendas das empresas de insumos, e garante um ágio tanto para ela, quanto para as tradings

Personalização e parcerias

Outro atrativo do Barter está na flexibilidade. Os contratos não seguem uma regra específica, mas sim buscam uma negociação que atenda às expectativas de todas as partes. A calculadora passa pela mão de todos. “Estipulamos uma produtividade mínima para fazer o contrato, de forma que não deprecie para nenhum dos lados. O produtor participa ativamente desse cálculo”, explica Eric Machado. Por consequência, é possível assinalar outra vantagem do Barter: o fortalecimento da rede de parcerias no agro, e o fomento de um ciclo de negócios de longo prazo.

Armazenamento

A redução dos custos com armazenamento é outra vantagem. Ao ter a garantia da venda antes mesmo da semeadura, o produtor não precisa se preocupar com instalação ou aluguel de silos para estocar toda a safra.   

A moeda do campo

Outra vantagem do Barter é a moeda que baliza o negócio.  “A soja é a moeda do produtor na nossa região. O arroz também. São a nossa moeda de troca”, destaca Eric, que opera Barter em uma região alagada na costa litorânea gaúcha, tradicional pelo cultivo do arroz, mas que, nos últimos anos, tem sido destaque também pela soja. “O Barter garante a melhor condição pra qualquer tamanho de propriedade, porque o produtor usa a moeda que ele produz, que ele tem na mão, com a garantia de um bom preço”. 

Como são definidos os preços na operação Barter

O preço acertado no Barter é estipulado antes do fornecimento dos insumos, com base na cotação em bolsa da commodity negociada, e com um ágio para as empresas que fornecem os insumos e comercializam os grãos.

“O produtor, muitas vezes, fica em dúvida de fechar num dia, na expectativa de que o preço aumente no dia seguinte. É normal, faz parte da dinâmica. Este ano, conseguimos travar a maioria dos contratos em R$160 a saca de soja, mas teve contratos de R$153 e R$155. O preço do Barter varia de acordo com o mercado. Hoje, o contrato para 2023 está em R$162”, conta Eric Machado. Ele opera Barter na empresa da família e fechou um Barter para a sua própria lavoura – sem regalias, de acordo com as dinâmicas de mercado. E ficou satisfeito: “travei a metade do custo da minha lavoura em 600 sacas de soja, foi um baita negócio.”

Portanto, o benefício para o produtor, além dos já citados acima, é o fato de poder estipular uma produção mínima. Se o cálculo prevê, por exemplo, que a safra será de 25 a 30 sacas por hectare, o Barter pode ser balizado pelo mínimo. Então, se o produtor colher 25 sacas/hectare, consegue minimamente cumprir o contrato sem levar a dívida para a próxima safra. E se colher mais, cumpre o contrato e ainda contabiliza uma vantagem para o seu negócio.

Hedge em Barter

A precificação no Barter é baseada em hedge. O termo em inglês significa “cobertura” ou “proteção”. Consiste em um mecanismo de mercado que, em termos gerais, possibilita proteger as operações financeiras de variações de mercado, oscilações de preço e flutuações de câmbio. Com isso, reduz os riscos de qualquer parte sair com perdas significativas no cumprimento do contrato.

Barter e CPR

A Cédula de Produto Rural (CPR) foi instituída por lei em 1994, e ampliou as alternativas de financiamento no campo. É um título de dívida que funciona como instrumento jurídico para facilitar a concessão de crédito rural, garantindo lastro à operação. Em uma explicação simples, pode ser classificada como uma “promessa de pagamento” por parte do produtor rural com base na sua produção. 

Qualquer produto rural pode gerar uma CPR. E ela pode ser emitida por produtores rurais individuais, como também por cooperativas e associações de produtores. As CPRs mais comuns no Brasil são atreladas a soja, milho, trigo, café, algodão e arroz, ou seja, commodities negociadas em bolsas internacionais – o que garante mais segurança e liquidez de precificação.

Nesse sentido, o Barter tem sido cada vez mais atrelado à CPR. Na operação, o produtor rural emite a CPR em favor das empresas envolvidas – fornecedoras de insumos e tradings de grãos. A validação da CPR é feita em cartório. O título é devolvido ao produtor quando da quitação do financiamento.

Mas a CPR não é usada apenas para Barter e obtenção de insumos para a lavoura. Vale, também, para maquinário e empréstimos em dinheiro. Isso porque, em 2001, foi criada a CPR financeira, a fim de garantir liquidez aos bancos na concessão de crédito agrícola. Ou seja, a instituição financeira libera o financiamento ao produtor, que, por sua vez, paga a dívida em dinheiro, garantida com base na produção da propriedade.

O documento da CPR contém as seguintes informações:

  • Dados das partes envolvidas no Barter
  • Localização da propriedade rural
  • Natureza, qualidade e quantidade do produto agrícola negociado
  • Prazo de liquidação e data de entrega/quitação
  • Promessa de entrega
  • Relação de bens que operam como garantia do contrato
  • Data do contrato e assinatura das partes

Tecnologia para mitigar riscos da Barter 

O Barter traz no seu DNA a facilitação do financiamento da produção agropecuária e agroindustrial. E medidas recentes desburocratizaram a operação.

Além disso, tecnologias voltadas ao agronegócio tornam essa alternativa de crédito rural ainda mais segura – e, por consequência, atraente.

Para quem oferece Barter ao produtor rural, a organização da documentação e dos processos, e a validação das informações são essenciais para garantir segurança, agilidade e larga escala.

Dentre os critérios fundamentais para isso estão, previsibilidade climática, estimativa de produtividade, qualidade do solo, e compliance da propriedade rural com legislação trabalhista.  

Nesse sentido, a Agrotools oferece soluções tecnológicas para todos os envolvidos na operação Barter. A solução Credit é a melhor escolha para as empresas que querem assegurar a verificação, a mensuração e o report de todos os critérios socioambientais relativos à propriedade e ao produtor rural.

O Credit possibilita o monitoramento totalmente digital e remoto dos territórios rurais, em relação às previsões de produtividade, aos aspectos socioambientais e ao alinhamento a compliance internacional. Com isso, o Barter que utiliza a análise socioambiental do Credit adquire o carimbo ESG. A sigla que ganha relevância global, em todos os setores, representa um grande potencial para o agronegócio brasileiro e as diversas empresas que oferecem produtos e serviços para o campo. 

“A partir do momento em que o cliente contrata o Credit para Barter, ele consegue ter maior controle de onde estão vindo os grãos, e isso dá mais segurança para a operação como um todo, inclusive, com relação ao alinhamento dos critérios ESG”, explica Vitória Martins de Oliveira, Engenheira Florestal e Sales Development Representative na Agrotools.

Ou seja, o Credit contribui para a eficiência da CPR e do Barter, ao validar a operação com ferramentas tecnológicas ágeis, amplas e seguras. “Conseguimos rastrear todas as propriedades e mapear áreas embargadas, ocorrência de trabalho escravo e trabalho infantil, desmatamento ilegal, e outros aspectos legais. Isso agrega valor ao produto do nosso cliente. E evita qualquer questão pública, não só em relação à imagem e reputação, mas também à legislação”, complementa Vitória.

Para operar Barter, é fundamental que as empresas tenham o monitoramento geográfico de toda a cadeia produtiva, para mitigar os riscos socioambientais, tornar a tomada de decisão mais assertiva, e garantir a proteção do negócio. Com a solução Credit, da Agrotools, isso se torna possível. E o melhor: 100% digital, remoto, e fácil de operar.

O Credit realiza mais de 200 mil análises ESG e verifica mais de 45 critérios socioambientais, relacionados a mais de dez commodities. E já é operada em 60% do abate bovino no Brasil. Por isso, a Agrotools detém o maior monitoramento mundial do campo ao varejo.

Algumas das principais operacionalidades do Credit são:

  • TAC da carne
  • Protocolo Verde dos Grãos
  • Moratória da Soja
  • Resoluções do BACEN
  • Regulações do MAPA
  • Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI)
  • RenovaBio e outras exigências do mercado externo

Entenda como o Credit pode otimizar Barter no seu negócio

Solicite uma Demo

Relacionados

Zootecnista e os produtos de origem animal: Histórico e tendências de atuação

Zootecnista e os produtos de origem animal: Histórico e tendências de atuação

Ferramentas tecnológicas nas operações de supply chain para atender às exigências dos consumidores, agilizar os processos de compra

Excelência em supply chain: ferramentas digitais para auxiliar decisões estratégicas

Frigoríficos: Requisitos para o sucesso da atividade pecuária

Frigorífico: requisitos para o sucesso da atividade pecuária

Solicitar Orçamento