Blog

Financiamento rural: como ter mais segurança e agilidade

Terra com brotos de folhas verdes ao lado de moedas empilhadas com pequeno broto em cima, remetendo ao financiamento rural.

Financiamento rural: como ter mais segurança e agilidade

7 de dezembro de 2023

Tempo de Leitura: 8 minutos

O financiamento rural é uma atividade que envolve riscos, mas estes podem ser reduzidos com o uso de tecnologias, tornando-o mais seguro e ágil 

No agronegócio brasileiro, o financiamento rural tem cumprido papel de grande importância, ao possibilitar que agricultores desenvolvam suas atividades e tenham prosperidade.

Com o aumento do protagonismo do Brasil no setor, diversas formas de financiamento rural têm surgido, assim como meios de torná-lo mais seguro, transparente e ágil, com o uso de tecnologias que favorecem a uma maior eficiência das operações.    

Essas tecnologias favorecem tanto a quem financia quanto a quem é financiado e contribui para o aumento do nível de confiança nas negociações. Saiba mais neste artigo!

O que é e como funciona o financiamento rural?

O financiamento rural é um modelo de negócio que funciona por meio do crédito rural cedido a pequenos, médios e grandes produtores rurais.

Além do crédito rural existem diversas outras formas através do financiamento privado e mercado de capitais.

Instituído por meio da Lei 4.595/64, que dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias, cria o Conselho Monetário e dá outras providências e vem sendo alterada conforme a necessidade ao longo dos anos, o financiamento rural pode ser feito por bancos públicos e privados, além de empresas e cooperativas.

A depender da natureza jurídica do operador, o financiamento rural deve seguir o Manual de Crédito Rural, do Banco Central do Brasil, que codifica as normas aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional e as divulgadas pelo banco.

Uma parte dos recursos para o financiamento rural são oriundos do Plano Safra, que para a temporada 2023/2024 já liberou R$ 147 bilhões, com 617.547 contratos firmados em três meses (julho, agosto e setembro), segundo dados do Ministério da Agricultura. 

O total liberado corresponde a 33% do montante programado para a atual safra, de R$ 435,8 bilhões. A participação dos recursos livres equalizáveis nas contratações teve destaque, com R$ 5,9 bilhões, aumento de 279% em relação a igual período da safra anterior.

Quais são os tipos de crédito rural?

Os tipos de crédito rural variam de acordo com a finalidade, sendo eles o custeio, o investimento, a comercialização e a industrialização. São definidos da seguinte forma: 

  • Custeio: destinados a cobrir despesas normais de um ou mais períodos de produção agrícola ou pecuária;
  • Investimento: voltado para inversões de bens em serviços cujos desfrutes se realizem no curso de vários períodos;
  • Comercialização: é utilizado de forma isolada ou como extensão do custeio, cobrindo despesas próprias das fases sucessiva à coleta da produção, sua estocagem, transporte ou a monetização de títulos oriundos da venda pelos produtores;
  • Industrialização: visa o beneficiamento e a industrialização dos produtos agropecuários, quando efetuadas por cooperativas ou pelo produtor em sua propriedade rural.  

Quem tem direito ao financiamento rural?

Têm direito ao financiamento rural:

  • o produtor rural (pessoa física ou jurídica);
  • cooperativa de produtores rurais;
  • produtores rurais extrativistas não predatórios e indígenas assistidos por instituições competentes, pessoas físicas ou jurídicas, que, mesmo não sendo produtores rurais, se dediquem às atividades de produção de mudas, sementes, sêmen para inseminação artificial e embriões, pesca artesanal e aquicultura para fins comerciais, além de atividades florestais pesqueiras;
  • o silvícola, desde que não estando emancipado, seja assistido pela Funai (Fundação Nacional do Índio), que também deve assinar o instrumento de crédito.

Antes de o crédito ser liberado devem ser observadas as categorias de produtor, conforme a receita bruta anual:

  • pequeno produtor: até R$ 500.000;
  • médio produtor: entre R$ 500.000 e R$ 3.000.000;
  • grande produtor: acima de R$ 3.000.000.

De acordo com o Manual de Crédito Rural, a classificação do produtor é de responsabilidade da instituição financeira, que deve efetuá-la como parte integrante da ficha cadastral do beneficiário e observar o limite de receita bruta de R$ 4,8 milhões, para possíveis restrições na liberação de recursos.

Financiamento rural: cenário atual e perspectivas de mercado

O mercado de financiamento rural no Brasil tem avançado no país, com diversificação na oferta de recursos, mas os operadores de crédito enfrentam vários desafios em comum: juros menores, redução da burocracia e do tempo para liberação do dinheiro.

Uma pesquisa recente da McKinsey & Company mostrou que há um interesse por parte dos agricultores que vai além do recurso financeiro, a exemplo de produtos e serviços para gestão de riscos, consultorias técnicas e informações do mercado.  

Ainda conforme a pesquisa, há uma tendência de que diversos serviços passem a ser oferecidos num pacote só, de modo a facilitar a vida do produtor rural.

Para quem financia, os desafios também são muito grandes e dizem respeito também aos riscos, sejam eles da safra ou relacionados ao cumprimento das normas por parte dos beneficiários do crédito rural.

Há pouco tempo, o Banco Central do Brasil publicou a Resolução nº 140, estabelecendo regras socioambientais que devem ser cumpridas para a liberação do financiamento, bem como exigência de fiscalização e monitoramento por parte de quem financia.

Pelas regras, empresas ou produtores rurais com problemas de embargo, incluídas na lista de trabalho escravo, ou com problemas socioambientais não podem ter acesso ao crédito.

São impeditivos de acesso ao financiamento rural a ausência de inscrição ou cancelamento no sistema do CAR (Cadastro Ambiental Rural) ou a ter área da propriedade sobreposta parcial, ou total a uma Unidade de Conservação, em terra indígena, áreas de remanescentes de quilombos. Ou ainda a propriedade inserida no Bioma Amazônia ter embargos por conta do desmatamento. 

Muitas vezes, esses problemas resultam em perda de oportunidade de negócios, em decorrência da análise sem dados históricos e em tempo real, o que também pode gerar problemas para comprovar compliance.

Por isso a necessidade de investir em tecnologia e dados para o financiamento do crédito rural, fazendo com que as negociações tenham segurança, transparência e agilidade.

Soluções da Agrotools para o financiamento rural

As soluções digitais da Agrotools são as mais ideais para viabilizar o financiamento do agronegócio, a digitalização da oferta de crédito rural, empréstimos e qualquer linha de crédito para o setor.

A Agrotools oferece suporte para seguranças nas operações por meio do sensoriamento remoto via imagens de satélite, para o monitoramento das variáveis que afetam as operações, do setor financeiro ao produtor. Conheça os detalhes das soluções.

Credit 

O Crédit é uma solução digital completa para instituições que oferecem financiamento rural e já vem sendo utilizada por diversos players do mercado, tendo em vista que ela ajuda a proteger o controle da carteira de crédito com agilidade.

A solução enterprise contribui para análises que podem ser feitas ao alcance de um clique, possibilitando uma otimização das operações de concessão de crédito, financiamento e empréstimo rural, com atualizações sempre que necessárias para aprimorar o serviço. 

Pixels

Os Pixels da Agrotools reúne um conjunto de análises para garantir que sua operação de crédito tenha as informações necessárias para uma avaliação segura e a redução de riscos nas operações de financiamento rural.

Um dos diferenciais dessa solução é que os serviços dela podem ser comprados de forma individual e por uso, sem a necessidade de uma assinatura.

Podem ser feitas por meio dessa ferramenta:

  • análise socioambiental, incluindo a ocorrência de desmatamento;
  • gerar coordenadas geodésicas para reportar ao BACEN;
  • avaliação sobre ocupação do uso do solo;
  • estimar a produtividade;
  • verificar o NDVI (índice de vegetação por diferença normalizada);
  • a previsão do tempo para a safra;
  • embargos ambientais;
  • estimativa de penalização da produtividade;
  • classificação da aptidão agrícola;
  • consulta ao CAR;
  • validação da área total do imóvel;

Com essas soluções, suas operações de financiamento rural poderão ser feitas com muito mais confiabilidade, fortalecendo as suas relações com seus clientes e fazendo com que o seu trabalho seja observado de forma diferenciada, se destacando no mercado.

Conclusão

O financiamento rural exige muito cuidado para que as operações possam ser feitas da melhor forma possível para ambas as partes.

E hoje em dia, com o uso de tecnologias, como o sensoriamento remoto por imagens de satélite, além de ferramentas que atuam de forma integrada, é possível oferecer um serviço muito mais ágil e seguro para relações duradouras.

Entre em contato com um especialista da Agrotools e veja como podemos ajudar sua empresa a se destacar no mercado do financiamento rural.

Relacionados

Mitigação de risco no crédito rural: dicas para instituições financeiras

Cooperativas de crédito e os financiamentos rurais no Brasil

Cooperativas de crédito e os financiamentos rurais no Brasil

Histórico do crédito rural no Brasil: origem e evolução

Histórico do crédito rural no Brasil: origem e evolução

Solicitar Orçamento